28 de março de 2014
Sem categoria

“Como eu estou me sentindo? Surpreendentemente bem”!

Com esta frase, começa o mini-documentário que dá o adeus definitivo à Kombi. 


Mas muito bem poderia começar a autobiografia de qualquer pessoa realizada com a vida que teve.

Por que resolvi escrever sobre o carro num blog para mulheres de 40 anos?

Porque a maioria de nós teve uma Kombi na vida, na família, no trabalho. Dirigiu, foi transportada, viajou, recebeu produtos, buzinou para uma! 

Uma das primeiras lembranças que tenho do mundo automotivo vem de uma Kombi cor de café-com-leite que meu pai tinha para vender frutas. Era o carro do trabalho e da família. Viajávamos nele, fazíamos supermercado, passeávamos. 

Depois, rodei muito dentro de outra Kombi no primeiro trabalho em televisão que tive. Na produtora onde trabalhava, usávamos uma para transportar a equipe de TV. No inverno era congelante, no verão escaldante. Não tinha folga na direção. Tinha férias. Se dormíamos nos bancos éramos atirados no chão com uma freada mais brusca. 

Mas quem se importava? Quantas reportagens fizemos com aquela Kombi? Dezenas? Centenas? Quanta saudade daquela juventude e gás todo de começo de profissão…  


O tempo foi passando, os carros melhorando, tecnologias foram incorporadas aos modelos, mas a Kombi sobreviveu com seu design único e falta de inovação. 

Ficou velha para o século 21, mas não perdeu o charme. Quem não ama esta sessentona tão desejada que sempre nos fez sentir surpreendentemente bem? 

Fotos: Reprodução

Curta a página do Atitude 40 no Facebook: www.facebook.com/Atitude40


por
Comente pelo facebook:

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

avatar
wpDiscuz