10 de julho de 2013
Sem categoria

Quando tinha 20 anos, achava o velejador Amyr Klink uma pessoa estranha. Afinal, como podia alguém preferir passar mais tempo no mar, sozinho, do que com a esposa ou a família?

Em 1993 ou 1994 (não me lembro bem), tive a chance de conhecê-lo pessoalmente. Repórter júnior, acompanhei o lançamento de uma nova linha de pneus (?!) de uma multinacional francesa em Paraty, com direito a palestra do velejador. 

Cheguei crítica e saí encantada. 

Klink contou suas aventuras no mar e como superou desafios e ondas gigantes, sozinho em seu barco. 

Bastava fechar os olhos para imaginar a aventura. 

Mas o que me chamou mais atenção foi a timidez do palestrante. 

Enquanto todos circulavam pelo evento, ele preferiu ficar do lado de fora, descalço – na época, me contou que não usava sapatos – comendo mexericas e papeando com uma repórter foca (eu).    

A tarde rendeu mais do que uma matéria sobre pneus: eu e minha equipe de TV pudemos visitar o Paratii e conhecer de perto o universo do velejador. O que era uma simples apresentação de produto, virou uma reportagem exclusiva, com imagens do interior do barco e entrevista com o navegador.

Lembrei disso porque 20 anos depois me vi frente a frente de novo com Amyr Klink. 

Mais maduro e calçado, apresentou para a imprensa um projeto inusitado e inédito: uma viagem à Antártica a bordo do Paratii 2.

Amyr Klink apresenta projeto à imprensa 


Em parceria com a Latitudes Viagens de Conhecimento, o velejador vai disponibilizar o próprio barco para 4 ou 5 saídas rumo ao continente gelado. 

Somente oito felizardos, por vez,  poderão desfrutar do privilégio de viajar a bordo do famoso veleiro, durante 15 dias, a partir de janeiro de 2014. 

Paratii 2 na Antártica


A viagem começa em Punta Arenas, no Chile. Parte do trajeto é feito de avião, para cruzar o temido Estreito de Drake, que enjoa até os marinheiros mais experientes.         

Klink, que já visitou a Antártica mais de 40 vezes, promete uma aventura diferente daquelas oferecidas em navios para outros 15 mil turistas que anualmente visitam o região.

Sem luxos, os turistas a bordo do Paratii 2 vão participar da rotina do barco e ter acesso a pontos não explorados pelos navios grandes. 


Um dos destaques é a base ucraniana Vernadsky, pouquíssimo visitada. 

Neste vídeo que gravei durante a apresentação da viagem, o velejador fala sobre a emoção, os encantos e dificuldades de uma ida à Antártica. 

O velejador não deverá participar das viagens – embora possa ir em uma ou outra, quem sabe…

A viagem é realmente para poucos: custará a partir de US$ 30 mil por pessoa. Parece muito, mas quanto vale se sentir um pouco Amyr Klink, pelo menos por 15 dias? 



Mais informações: www.amyrklink.com.br 
www.latitudes.com.br

Fotos: Andrea Martins e
Amyr Klink/Divulgação
e Marina Klink/Divulgação

Curta a página do Atitude 40 no Facebook: www.facebook.com/Atitude40

    


       
   

por
Comente pelo facebook:

Deixe um comentário

2314 Comentários em "Uma viagem à Antártica no barco de Amyr Klink"

avatar
wpDiscuz